NF-e Produtor Rural: como emitir a nota de forma simples e segura

NF-e Produtor Rural: como emitir a nota de forma simples e segura

Com a NF-e Produtor Rural o agronegócio fica mais organizado

 

A tecnologia está transformando a vida do produtor rural em vários aspectos. A digitalização do controle tributário em diversos setores da economia já é uma realidade, com o agronegócio não seria diferente. A NF-e Produtor Rural veio para modernizar e trazer mais assertividade para  as operações comerciais no campo.

A partir de 1º de janeiro de 2020, passa a ser obrigatória a emissão na NF-e Produtor Rural – modelo 55 em todo território nacional. Apesar da exigência só começar no próximo ano, quem deixar para última hora pode ter problemas para escoar a produção. Além disso, a mudança trás benefícios para o produtor, para a Sefaz e para o destinatário (varejistas, atacadistas ou cooperativas).

 

Benefícios da NF-e Produtor Rural:

 

O bloco de notas custa em média R$ 80 e o preenchimento é feito de maneira manual e burocrática. A substituição dos blocos de papel representam economia de tempo e dinheiro. Ou seja, o agricultor passa a ter mais tempo para cuidar da lavoura e menos gastos. Além do mais, a NF-e Produtor Rural  é válida em todo território nacional e possui segurança com a certificação digital da Sefaz.

Para quem recebe os produtos agrícolas as vantagens são a eliminação da digitação de notas fiscais na recepção de mercadorias e o recebimento do Danfe por email, em tempo real. Já para a Receita Estadual, a NF-e Produtor Rural proporciona racionalização de processos, diminuição de custo de operação, melhora na confiabilidade dos dados, redução da sonegação e aumento da arrecadação, sem afetar a carga tributária.

A emissão da NF-e Produtor Rural representa maior praticidade, rapidez, rigor e segurança para a produção agrícola. No Espírito Santo cerca de 170 mil produtores serão beneficiados. De acordo com dados da Receita Estadual em torno de 20 mil pedidos para emissão de blocos de notas fiscais são feitos por ano, o que representa uma economia considerável de papel e de dinheiro.

 

O que é necessário para fazer a emissão da NF-e Produtor Rural:

 

Primeiramente, é preciso que o produtor rural adquira uma Certificação Digital. Desde 2018 é possível emitir o certificado digital apenas com o CPF, descartando a obrigatoriedade do CPNJ. Esta certificação é uma espécie de assinatura eletrônica, que garante a legitimidade das notas fiscais que o produtor emitir. Também é preciso a autorização da Sefaz.

Além do Certificado Digital, é importante o produtor adquirir um software especializado na emissão da NF-e Produtor Rural. O sistema é interligado na base de dados da Sefaz e transmite simultaneamente os dados para o governo.

Na hora de escolher um emissor é importante levar em consideração a praticidade e o suporte técnico. O Mamute por exemplo, oferece todo apoio para que o produtor emita suas notas com precisão, evitando que a Sefaz rejeite algum documento.

Outra vantagem é a mobilidade. O produtor pode emitir sua nota em qualquer lugar via tablet, smartphone e computador. Além disso, as informações da propriedade rural ficarão armazenadas de forma segura. Além de dar maior segurança à operação de venda com o Mamute o produtor consegue ter acesso em segundos aos relatórios, e consegue melhorar a gestão de sua propriedade.

 

5 lições que o circo pode ensinar para o mundo dos negócios

5 lições que o circo pode ensinar para o mundo dos negócios

Hoje, dia 27 de março,  é comemorado o Dia do Circo.  Todo mundo guarda uma memória afetiva do circo,  uma lembrança da infância. Mas o que o circo tem de lúdico ele tem de empreendedor. Empresário, você já parou para  pensar quantas lições  que o circo pode ensinar para o seu negócio?  Listamos cinco ensinamentos do circo que você pode aplicar na prática na sua empresa para conquitar de vez o seu respeitável público.

1 – Foco e Concentração

Primeiramente, ter foco é uma das competências mais almejadas quando se fala em mundo dos negócios. No circo, a falta de concentração pode colocar a vida em risco de um malabarista por exemplo, e nos negócios não é diferente. Não ter foco pode colocar a vida da sua empresa em risco. Desta forma, concentrar-se é ser pontual, é ter prioridades e dedicar tempo para realizar uma tarefa sem distrações.

2 – Trabalho em equipe para o espetáculo acontecer

Outra lição que circo ensina é a importância do trabalho em equipe. Sem todos estarem envolvidos seja no “show” ou nos “bastidores”, o espetáculo não acontece. Trabalhar em equipe é colaborar, é comemorar o sucesso do outro e é valorizar cada resultado como parte de um todo.

3 – Sempre é possível melhorar a performance

Vamos lá. Os negócios estão indo de vento em poupa, e o público está aderindo a sua marca. O cenário é perfeito. Mas será que não é possível melhorar a performance para se destacar ainda mais? No circo, seja qual for o “número” há sempre uma tentativa de melhoria na performance para que o espetáculo seja ainda mais atraente para o público. Assim, existe um reforço para inovar e não se acomodar com o sucesso.

4 – A capacidade de lidar com as mudanças

A cada nova parada, um novo lugar, uma nova cidade e um novo ambiente. O circo sempre lida com muitas variáveis e muitas vezes desenvolve estratégias para lidar com elas. Desta forma como no circo, o mundo empresarial deve ter essa capacidade de adptação rápida. Se chove, sempre tem alguém para vender a capa de chuva. Se os ingressos se esgotaram, sempre tem uma nova sessão. Se o público não está aderindo, sempre tem uma promoção. Usar a estratégia e a proatividade para lidar com diversos cenários pode ser uma saída também para o seu negócio.

5 –  Arriscar-se para encantar

No circo como nos negócios é sempre preciso inovar e correr riscos. Empreender exige arriscar, fazer diferente da concorrência e até  aprender com os possíveis fracassos. Assim, para fazer um número novo, um trapezista coloca até a sua vida em risco, mas o desejo de superar o desafio e criar algo novo é maior do que o medo.

Empreendedor: saiba de forma simples como emitir a NF-e

Empreendedor: saiba de forma simples como emitir a NF-e

A Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) agiliza as transações comerciais

Empreendedor, você sabe o que é NF-e? A Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) é a versão digital da antiga nota fiscal, ou seja modelo A1 e 1-A. É um documento eletrônico gerado pelas empresas no momento da transação comercial, como por exemplo, nas operações de venda. Além das operações comerciais, a NF-e engloba todas as demais operações, como a entrada de mercadorias, as operações interestaduais, as operações de transferência ou devolução de mercadorias.

Este registro das operações mercantis é transmitido em tempo real para a Secretaria da Fazenda (SEFAZ), que faz a validação do documento. Após essa autorização, tanto a empresa, quanto o consumidor, já podem consultar a nota fiscal via internet. Desta forma, a NF-e veio para facilitar a vida do empresário, e agilizar a conferência dos dados.

No Brasil, a NF-e está em vigor desde 2006, e ao longo deste tempo ela se modernizou e ganhou novas versões. No ano passado a versão 4.0 da NF-e entrou em vigor.

O que é preciso para emitir a NF-e?

Primeiramente para emitir a NF-e a empresa deverá usar um software emissor e possuir um certificado digital. Este certificado funciona como uma assinatura eletrônica da empresa e garante a segurança dos dados junto à SEFAZ. Assim, o certificado digital oferece validade jurídica ao documento, garantindo assim a confiabilidade dos dados.

Além do certificado, o software emissor também é necessário no processo. É o software que realiza a transmissão das informações da nota para a SEFAZ. Feito o envio, o governo emite uma resposta, uma espécie de chave de autorização, para gerar a NF-e. Além da emissão da nota, o software também garante o controle financeiro, e a gestão do estoque. Após a autorização do Fisco e da emissão da nota é possível consultar o documento via internet.

O documento impresso gerado é o DANFE (Documento Auxiliar de Nota Fiscal Eletrônica), que funciona como um extrato. Portanto o DANFE contém o resumo das informações da nota e a chave que dará o acesso pela internet.

Como é feito o armazenamento da NF-e?

De acordo com a legislação tributária, é importante armazenar este arquivo digital por um período mínimo de cinco anos. A importância de contar com um bom software de gestão, e claro, emissor de NF-e está no armazenamento destes arquivos em XML. Se este backup for feito de forma automática e na  “nuvem”, facilita muito o dia a dia do empresário, o mamute oferece esta funcionalidade.

As vantagens da NFC-e que todo empresário deveria conhecer

As vantagens da NFC-e que todo empresário deveria conhecer

A Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) veio para subistituir o cupom fiscal tradicional talonário (venda de balcão) com validade jurídica garantida pela assinatura digital do emissor. Em 23 estados brasileiros a emissão da NFC-e já é obrigatória. De acordo com dados do governo no ano 2018 foram mais de 24 bilhões de notas emitidas.

Vantagens da NFC-e

A NFC-e apresenta diversas vantagens, tanto para o consumidor, quanto para o empresário. Este formato eletrônico dispensa o uso da impressora fiscal. Assim, a NFC-e que faz o custo com equipamentos diminuir em mais de 70%. Desta forma, a nota digital simplifica as obrigações acessórias (redução Z, leitura X, Mapa Resumo e etc).

Além disso, a nota digital garante uma maior flexibilidade para as empresas no processo de vendas. Os caixas podem ser abertos e fechados  quantas vezes for necessário. A NFC-e permiti também a realização de vendas móveis pelos vendedores, ganhando mais agilidade nas transações comerciais. Também é possível integrar as plataformas de vendas físicas e virtuais. Portanto a NFC-e garante liberdade para o empresário trabalhar onde e quando quiser.

No processo de envio é elaborado primeiro o registro de todas as vendas, faz o fechamento, em seguida a transmissão da nota e logo depois a impressão. Atualmente as Notas Fiscais Eletrônicas são emitidas pela internet o que auxilia no processo de transmissão, redução de erros, maior transparência, entre outros benefícios.

Assim, diante deste contexto digital a NFC-e é uma alternativa sustentável, por garantir uma economia significativa de papel. Para o consumidor, a vantagem da NFC-e é que nota pode ser acessada de qualquer dispositivo móvel (tablet, smartphone ou notebook) na hora em que ele precisar, a partir da leitura do QR Code impresso no documento auxiliar de nota fiscal (Danfe). O documento  também pode ser enviado via e-mail e o cliente pode acessá-lo pelo site da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz).

O que é necessário para emitir a NFC-e?

Para emitir a NFC-e é preciso ter um certificado digital que pode ser A1 ou A3, um computador, conexão com a internet e uma mini impressora não fiscal.Assim,  O Mamute NFC-e é um sistema online, que você pode emitir a NFC-e na hora que precisar. Uma solução inovadora que gerenciará suas vendas de consumidor final de forma rápida, eficiente e segura.

WhatsApp chat